ESG – COMO E QUANDO?

Nestes últimos dias, seis manchetes na mídia chamaram minha atenção e me levaram a escrever este texto:

  • Crescimento inesperado do PIB no primeiro trimestre / 2021;
  • Exportação do agronegócio puxa o PIB;
  • Seca e comodities puxam a inflação;
  • Brasil perde água potável que abasteceria 63 milhões de pessoas;
  • Governo Federal prepara MP para enfrentamento do racionamento de energia;
  • ESG: Agenda ambiental vira obrigatória.

Podemos observar que em todas as manchetes acima, a ÁGUA em suas múltiplas funções está presente. A quantificação desta afirmação pode ser encontrada em recente relatório IBGE / ANA, que informa:

“Para cada um real de acréscimo do PIB existe um consumo de 6,7 litros de água”.

Outra reflexão relevante é sobre ESG (Meio Ambiente, Inclusão Social e Governança). Parece que este tema deixa de ser apenas uma nova visão estratégica para as empresas conduzirem seus negócios e passa a ser uma questão crucial para a perenidade das corporações. Destaque-se também a necessidade de responder uma demanda crescente da sociedade. No meu entender, para que realmente as empresas adotem a visão ESG, falta entender que se não tivermos Segurança Hídrica, isso tudo, torna-se apenas uma ideia do mercado financeiro.

Hoje, infelizmente, no Brasil, temos que resolver algumas questões estruturantes, para então realmente falar do futuro do planeta.

O conceito de Segurança Hídrica, segundo a ONU, é “a capacidade de disponibilizar o acesso a água em quantidade e qualidade para sustentar os meios de vida, bem-estar humano, desenvolvimento social e econômico, além de assegurar a preservação dos ecossistemas em um ambiente de paz e estabilidade política”. Abaixo, apresento algumas questões que precisam ser equacionadas para que nossos recursos hídricos garantam um crescimento sustentável a economia do país.

  • Universalização dos serviços de água e esgoto;
  • Política Nacional de Recursos Hídricos, alinhada aos planos de segurança da água para todos os sistemas produtores. Cabe ressaltar que ainda hoje estes planos são apenas recomendados, mas não exigidos;
  • Consumo consciente da água;
  • Eficiência na gestão dos operadores públicos ou privados, nos sistemas de água e esgoto.
  • Adoção de novas tecnologias que já estão disponíveis e comprovadas, como: dessalinização, reuso direto e indireto da água para fins industrial e potável.

Em resumo, temos ainda um longo caminho a percorrer, resolvendo os problemas do presente, antes de implantar uma nova agenda ambiental.

Por Newton Azevedo

Presidente do Hydrus Capacitação

Previous Post
Newer Post

At vero eos et accusamus et iusto odio digni goikussimos ducimus qui to bonfo blanditiis praese. Ntium voluum deleniti atque.

Melbourne, Australia
(Sat - Thursday)
(10am - 05 pm)